Pets e Cia

Veja o tratamento da fobia de ruído em cães

Não se sabe por qual razão alguns animais de estimação possuem receio de barulhos, como trovoadas e fogos de artifício. O temor pode, em pouco tempo, vir a ser uma fobia, que é estabelecida como uma resposta de medo persistente, abusiva e irracional. No caso dos temporais, os animais de estimação também podem ter temor de fatos vinculados ao fenômeno, como mudança na pressão barométrica, raios, distúrbios eletrostáticos e até cheiros conectados às tempestades. As fobias do barulho podem incluir temor de trovoadas, fogos de artifício, tiroteios e até mesmo o som dos passarinhos.

Um estudo novo apurou que certas raças de cães possuem um risco além da média de possuir fobias de barulhos. Esses abrangem algumas das raças trabalhadoras e esportivas, como Collies, Pastores Alemães, Beagles e Basset Hounds. Essa análise foi muito simples, apesar disso, e é significativo fazer mais levantamentos nesta área. A análise também apurou que os cães que possuíam impaciência de separação eram mais propensos a desenvolver fobias de barulho e trovoada.

O que motiva a fobia de ruído?

Uma fobia de ruído pode ser referida a uma experiência péssima particular com um estilo de ruído, todavia, às vezes, nenhum fato desencadeante é capaz de ser determinado. Na maioria dos acontecimentos, o temor de certos ruídos e tempestades aumenta, agravando com cada exposição. Em breve, o animal de estimação pode ter medo de barulhos ou eventos semelhantes associados ao barulho. Como por exemplo, um animal de estimação com pavor de trovão inclusive pode ter medo de chuvas, ou um cão com medo de tiroteio pode manifestar temor à simples vista de um rifle de caça.
A atitude do proprietário é capaz de influenciar a gravidade do temor. Como por exemplo, se os próprios donos estão nervosos durante as tempestades, as fobias sonoras em seus animais domésticos podem acontecer com mais regularidade ou tornar-se mais graves. Da mesma forma, se o dono buscar consolar demais o espécime, o espécime interpreta a atitude como uma confirmação de que efetivamente existe alguma coisa para se temer. O excesso de acariciar ou reconfortar é um reforço de um temperamento indesejável.

Como identificar a fobia de ruído?

Animais diferentes são capazes de revelar diferentes sinais de fobias sonoras que abrangem: se esconder, mijar, defecar, morder coisas, arfar, tentar escapulir, babar, procurar o proprietário, tremer, não atender comandos, entre outros.
Procure um veterinário perito em problemas de comportamento animal e/ou um behaviorista animal se seu cão estiver evidenciando vestígios de fobia de ruído. Eles podem ajudar a desenvolver um plano de tratamento.

Como é tratada a fobia do ruído?

Não há garantia de que uma fobia de ruído seja capaz de ser totalmente resolvida, todavia em muitos casos o medo é capaz de ser supervisionado de forma eficiente. O êxito do tratamento varia de uma série de fatores, o que inclui a intensidade da fobia, há quanto tempo o animal doméstico desenvolveu o distúrbio, seja crônico, episódico ou imprevisível e a quantidade de tempo que o dono está determinado a comprometer com as técnicas de modificação do comportamento.

A primeira coisa a recordar é que você carece de abster-se de dar atenção ou punição excessiva por um temperamento terrível. O carinhar constante e o acalento são capazes de ser interpretados pelo animal doméstico como uma gratificação pela receosa resposta. Da mesma forma, o animal de estimação não deve ser castigado por manifestar temor. Isto somente aumentará seu nível de inquietação. Ao invés disso, confie no projeto e dê atenção ao seu cachorro sob a maneira de se divertir, pentear ou outras tarefas que seu animal de estimação aprecie.
Normalmente, o tratamento contém três outras facetas: remédios, alteração do meio ambiente e alteração do temperamento.

Veja o tratamento da fobia de ruído em cães
Avalie esta postagem